domingo, março 14, 2010

Just one more.



Eu sinto frio como todo mundo, eu sinto dor como todo mundo,
eu me perco nas ruas como todo mundo. 
Eu amo como todo mundo. Vem cá... me dê sua mão e agora coloque sobre meu peito. 
Apenas escute. O mundo todo cabe aqui dentro.
Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, 
que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os nossos caminhos 
que nos levam sempre aos mesmos lugares.
É o tempo da travessia e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, pra sempre, 
à margem de nós mesmos. A conclusão é que se for assim, 
vamos ser sempre aquele livro velho cheirando a guardado na gaveta.
Dou um passo de cada vez, mesmo quando a tentação é de dar saltos.
E você? Você não é só o que come e o que veste. 
Você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. 
Você é o que ninguém vê. 
Sei lá, talvez estejamos vivendo á toa e isso não pode.
Não pode mesmo. 
E que toda energia negativa que aparecer,
se transforme em amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou dessa postagem? Devia comentar.
Sua opinião é muito importante! (: